Itinerários

Nimrod Fortress: A Jaw-Dropping Attraction Off The Beaten Track


 Terrasanta.net |  5 de Janeiro de 2012

A view of Nimrod Fortress. (photo: J. Kraj)

Although it is not on most pilgrims' itineraries, the Nimrod Fortress is one of Israel's hidden gems, a jaw-dropping medieval defence structure located in the northern part of the Golan Heights. The edifice, known in Arabic as Qala’at al-Subeiba (‘Castle of the Large Cliff’), is located on the slopes of Mount Hermon above the Banias Spring.


(e.p.) - Although it is not on most pilgrims' itineraries, the Nimrod Fortress is one of Israel's hidden gems, a jaw-dropping medieval defence structure located in the northern part of the Golan Heights.

The edifice, known in Arabic as Qala’at al-Subeiba (‘Castle of the Large Cliff’), is located on the slopes of Mount Hermon above the Banias Spring - an expansive ridge that rises 800 meters (2,600 feet) above sea level.

Eight centuries ago, it was known as a strategic location but today it offers visitors some of the most panoramic and breathtaking views in the area.

The fortress has a long history, dating back to around 1229. Initially built by Al-Aziz Uthman to prevent additional attempts to take Damascus, the fortress later underwent much expansion, transforming it from its comparatively simple roots into a much more sophisticated fortress complex. 

It is named after the biblical hero Nimrod (Genesis 10:8-9), a hunter who, according to local tradition, dwelt on this summit. 

During the 12th-13th centuries, the fortress changed hands several times, but it was maintained and strengthened mainly by Muslims, according to numerous Arabic inscriptions found in the building. After falling into disrepair after the Muslim conquest of Akko, it lost its strategic value and was subject to many subsequent uses. These included serving as a luxury prison for Ottoman nobles and even as the home for local shepherds and their flocks. An earthquake in the 18th century devastated the structure, after which it underwent extensive restoration work.

The fortress is built of large, carefully squared stones. Along the walls, particularly on the southern side, are numerous rectangular and semi-circular towers, roofed with pointed cross-arches. Water was stored in rock-cut plastered pools below the fortress, accessible via protected staircases, thus guaranteeing a water supply in times of siege.

Indeed, the complex includes many secret corridors, as well as winding staircases and underground water cisterns. A 27-meter-long stepped, secret passage led from the gate tower to the outside, enabling the fortress defenders to launch a surprise attack on besiegers, or if necessary, to flee from it.

The Keep is the oldest part of the castle, and its moat and drawbridge remain intact. Also impressive is a giant lintel (a horizontal support across the top of a door or window), adorned with an impressive sized inscription referencing the Beibars’ 1275 construction of the fortress. Also dating from the Beibar time is a stone carved panther, the Beibar’s Heraldic symbol, which was discovered as recently as 1998.

The panorama visible from the castle includes the valleys and impressive vistas over the Golan Heights into the deep narrow valley that separates Mount Hermon from the remainder of the Heights. The fortress also overlooks the plains of the Upper Galilee, across to the hills bordering Lebanon.

A guided tour is available and lasts around 2 hours.

Oliveira Badawi, uma árvore com uma história milenar

Nas últimas décadas, Walajeh, pequena aldeia da Cisjordânia localizada ao sul de Jerusalém, na estrada que conduz a Belém, está passando por muitas mudanças devido à instabilidade geopolítica na região. Só esta oliveira parece ter preservado a sua existência inalterada por centenas, ou talvez milhares de anos.

A Gruta dos Sete Dormentes

Na Jordânia, um pouco a sueste de Amã, encontra-se Al Raqim. Na parede lateral deste outeiro suave situa-se uma antiga sepultura bizantina que se tornou um santuário islâmico. Este local celebra a fé incorruptível no único Deus e tem como referência uma antiga narrativa cristã, retomada em seguida pelo Alcorão. Trata-se da história dos Sete Dormentes. Vamos contá-la a vocês.

As árvores que fazem a história de Jerusalém

Símbolos de uma vida doada por Deus Criador, na Bíblia são citadas 22 espécies de árvores. Em Jerusalém, as árvores antigas são testemunhas da Escritura e algumas delas foram catalogadas pela associação israelense Keren Kayemeth LeIsrael - Fundo Nacional Hebraico. Pensemos nas oliveiras do Getsêmani. Mas há também outras árvores em lugares significativos da cidade.

Inauguração do Magdala Center

"Deus nos convida a sonhar grande. Assim nasceu o projeto de Magdala Center, como um sonho que Deus quís abençoar." Estas são as palavras do Padre Juan Maria Solana. Em 28 de maio, foi inaugurado o parque Arqueológico de Magdala com a dedicação do Centro de Espiritualidade "Duc in Altum". Um dia de grande alegria.

Oliveira Badawi, uma árvore com uma história milenar

Nas últimas décadas, Walajeh, pequena aldeia da Cisjordânia localizada ao sul de Jerusalém, na estrada que conduz a Belém, está passando por muitas mudanças devido à instabilidade geopolítica na região. Só esta oliveira parece ter preservado a sua existência inalterada por centenas, ou talvez milhares de anos.

A Gruta dos Sete Dormentes

Na Jordânia, um pouco a sueste de Amã, encontra-se Al Raqim. Na parede lateral deste outeiro suave situa-se uma antiga sepultura bizantina que se tornou um santuário islâmico. Este local celebra a fé incorruptível no único Deus e tem como referência uma antiga narrativa cristã, retomada em seguida pelo Alcorão. Trata-se da história dos Sete Dormentes. Vamos contá-la a vocês.

As árvores que fazem a história de Jerusalém

Símbolos de uma vida doada por Deus Criador, na Bíblia são citadas 22 espécies de árvores. Em Jerusalém, as árvores antigas são testemunhas da Escritura e algumas delas foram catalogadas pela associação israelense Keren Kayemeth LeIsrael - Fundo Nacional Hebraico. Pensemos nas oliveiras do Getsêmani. Mas há também outras árvores em lugares significativos da cidade.

Inauguração do Magdala Center

"Deus nos convida a sonhar grande. Assim nasceu o projeto de Magdala Center, como um sonho que Deus quís abençoar." Estas são as palavras do Padre Juan Maria Solana. Em 28 de maio, foi inaugurado o parque Arqueológico de Magdala com a dedicação do Centro de Espiritualidade "Duc in Altum". Um dia de grande alegria.