Atualidade

Entre a Santa Sé e Israel, um acordo em vista


de Christophe Lafontaine |  15 de Junho de 2017

O aperto de mão entre o papa Francisco e o primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu em maio de 2014 em Jerusalém. (foto Alex Kolomoisky/Flash90)

O acordo de natureza econômica, fiscal e financeira entre a Santa Sé e o Estado de Israel pode acontecer em breve. É o que sugere uma declaração da Comissão Bilateral Permanente.


Em um comunicado conjunto da Santa Sé e Israel, datado de 13 de junho, mas divulgado há poucos dias pelo Vaticano, se fala sobre uma possível e rápida conclusão das negociações e na assinatura do acordo que regulará as questões financeiras e os direitos de propriedade da Igreja Católica em Israel.

Ao final da sessão plenária da Comissão Bilateral Permanente de Trabalho entre a Santa Sé e o Estado de Israel ficou evidente a satisfação frente aos progressos alcançados. A reunião foi co-presidida por Mons. Antonio Camilleri, na qualidade de Sub-Secretário para as Relações com os Estados e pelo ministro israelense de cooperação regional, Tzachi Hanegbi.

Um longo caminho foi percorrido para chegar até aqui. Para entender melhor, é preciso lembrar que o que está sendo negociado já estava previsto pelo - Acordo fundamental - assinado entre as duas partes em 30 de dezembro de 1993, um quarto de século atrás.

As negociações (intermináveis) da comissão bilateral foram lançadas de fato em 1999; interrompidas em 2014 e retomadas em janeiro deste ano. Dizem respeito ao reconhecimento dos direitos jurídicos e patrimoniais das instituições católicas e questões que envolvem as isenções fiscais das quais a igreja já era beneficiária antes da criação do Estado de Israel em 1948 (como, por exemplo, o tema do pagamento - ou não - dos impostos sobre a propriedade imóvel eclesiástica, mas também o regime fiscal a ser aplicado às casas de acolhimento de peregrinos e subsídios que podem beneficiar escolas e hospitais). Um dos pontos mais emblemáticos, certamente, é o que envolve o Cenáculo.

A Igreja - e, em particular, a Custódia da Terra Santa - ainda tem em mãos os documentos que atestam a sua propriedade histórica, mas a geopolítica destes últimos 70 anos tem complicado o conteúdo das reivindicações de uns e de outros. Da sua parte, a Igreja tem mostrado a sua boa vontade, declarando-se pronta para discutir os direitos de uso em vez de continuar a reinvindicar a propriedade.

O acordo bilateral que pode ser assinado em breve entre a Santa Sé e Israel segue umacordo semelhante alcançado em junho de 2015 entre a Santa Sé e o Estado Palestino. Um acordo que consagra a liberdade de ação da Igreja na Palestina e alcança questões como, a jurisdição eclesiástica, lugares de culto, atividades sociais, os meios de comunicação social, as questões fiscais e os direitos de propriedade. O acordo entrou em vigor em 2 de Janeiro de 2016.

A atual fase de negociações entre o Estado Judeu e a Sede de Pedro, coincide com um momento em que, em Jerusalém, há rumores de uma nova peregrinação do papa Francisco  à Terra Santa. Há um outro elemento a considerar: Israel visa alcançar um lugar como membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas no biênio 2019-2020. Um objetivo difícil de ser alcançado pelo Estado judaico, considerando que para entrar, é preciso obter dois terços do consenso da ONU na Assembléia Geral e que esta provavelmente não poderá contar com votos de nações árabes. A assinatura de um acordo com a Santa Sé poderia talvez influenciar positivamente os países predominantemente católicos da América Latina e África.

Uma última palavra: nesta longa negociação bilateral não é a primeira vez que lemos tons positivos em um comunicado da Comissão; assim, a prudência é obrigatória.

Em Damasco conventos e igrejas sob ataque

Os tiros de morteiros caíram por dias nos bairros cristãos de Damasco, na Síria. Acima de tudo, o Patriarcado Melquita e a paróquia dos Franciscanos da Custódia da Terra Santa estão pagando o preço.

Israel, líderes católicos: Mais humanos com os migrantes!

Os líderes da Igreja Católica na Terra Santa pedem às autoridades israelenses menos dureza em relação aos migrantes eritreus e sudaneses, que agora têm duas alternativas: expulsão ou prisão.

Hospital São José incentiva parto humanizado

O hospital (católico) São José, em Jerusalém Oriental, oferece às gestantes palestinas todas as oportunidades para um parto seguro, dando preferência ao parto normal.

No Egito para os coptas uma grande catedral e novos mártires

Foi inaugurada na noite do Natal copta a maior catedral do Norte da África e Oriente Médio. O compromisso foi assumido há um ano pelo chefe de Estado. Enquanto isso, no entanto, os ataques contra os cristãos continuam.